Skip to content

Mi-el-o-que? Saiba o que é o mielograma e sua importância para a saúde

mielograma
Compartilhe

Última atualização em 6 de dezembro de 2023

Esta avaliação deve ser realizada quando há alterações no hemograma e suspeita de deficiência na fabricação das células do sangue

O mielograma é um exame utilizado para avaliar o funcionamento da medula óssea. Ele é indispensável para diagnosticar algumas doenças e cânceres hematológicos e também pode ser feito para acompanhar os resultados do tratamento. Em geral, sua realização não causa dor e também não é preciso que o paciente tenha cuidados especiais após o procedimento.

A Drª. Mariana Oliveira, onco-hematologista da Oncoclínicas São Paulo, detalha que este exame tem o objetivo de avaliar as células sanguíneas, que são produzidas na medula óssea, em relação à quantidade, amadurecimento, forma e presença de células tumorais.

“O mielograma é indicado sempre que há suspeita de que pode haver um problema na medula óssea. Essa suspeita pode acontecer se houver alterações no hemograma, como anemia, leucócitos muito altos ou muito baixos, ou alteração no número de plaquetas. Também podemos suspeitar por meio de exames complementares, como a presença de proteínas monoclonais na eletroforese de proteínas”, a Drª. Mariana complementa.

Ela também reforça que não há sinais ou alterações específicas que determinam ser necessário realizar o exame. Cabe ao médico responsável, preferencialmente um hematologista, avaliar os resultados, interpretá-los e decidir se é, ou não, preciso realizá-lo.

Ainda de acordo com a médica, este teste também tem um importante papel para descobrir o estadiamento de alguns tumores (se a doença se espalhou para a medula) e avaliar como o paciente está respondendo aos tratamentos.

Quais doenças o mielograma detecta?

Por meio desta avaliação é possível diagnosticar as leucemias agudas e crônicas, alguns tipos de linfoma que infiltram a medula óssea, síndrome mielodisplásica (SMD), mieloma múltiplo (MM) e metástases de tumores sólidos. Ele também pode ser usado para identificar doenças não malignas, como alguns tipos de anemia, doenças de metabolismo (por exemplo, a doença de Gaucher) e certas doenças infecciosas (como a parvovirose). 

Resultado de exame mielograma

A Drª. Mariana explica que para diagnosticar cada uma dessas doenças, o médico verifica determinadas alterações no resultado do mielograma. Ela ainda destaca que esse teste é indispensável para o diagnóstico das leucemias, SMD e do MM.

 No caso das leucemias, avalia-se se há presença de blastos (células imaturas) na medula e em qual quantidade. Essa análise é importante pois, para fechar o diagnóstico das leucemias agudas, é preciso que haja essas células imaturas em determinado volume. Isso acontece porque “a contagem de blastos pode diferenciar se é uma leucemia ou uma SMD”, a Drª. Mariana descreve.

Em relação à síndrome mielodisplásica, deve-se observar a presença desses blastos e também se há alterações no formato das células.

Já em relação ao linfoma, a médica diz ser possível “observar aumento de linfócitos, que podem ser maduros ou com alterações morfológicas. ”

Por último, para fechar o diagnóstico de mieloma múltiplo, o médico deve identificar que existe mais de 10% de plasmócitos na medula.

Leia também:

Como o mielograma é feito

Ele, frequentemente, é feito com anestesia local e com uma agulha especial para que seja possível coletar o sangue de dentro do osso. Em seguida, essa amostra é enviada para um laboratório, onde será avaliada por um profissional.

Punção no esterno para fazer mielograma

A Drª. Mariana comenta que, de forma geral, não há preparo específico para este exame. Somente é “muito importante que o paciente informe previamente ao médico se toma anticoagulantes ou se possui alguma doença relacionada à coagulação do sangue.”

O mais comum é que seja dada uma anestesia no local da punção, mas também há a possibilidade de o médico solicitar a sedação. Neste caso, a pessoa deve ficar em jejum no período indicado pelo laboratório.

“Com a agulha, é feita a punção no esterno (osso do peito) ou na crista ilíaca (na bacia) e colhe-se sangue para fazer os exames necessários. Algumas gotas do sangue colhido são colocadas sobre lâminas de vidro e é feito um esfregaço para que este material seja examinado no microscópio”, a especialista detalha.

A médica ainda diz que, às vezes, podem ser coletados tubinhos de sangue (como os do hemograma), para a realização de exames complementares.

O objetivo é que o mielograma não cause dor, por isso é feita a anestesia local. 

“Ela é igual aquela anestesia de dentista: arde um pouco no início e ao anestesiar o osso, pode causar um leve desconforto. Depois, na hora em que o médico faz a punção da medula, como já foi anestesiado antes, não dói. Mas, pode haver uma sensação de pressão e também de descompressão quando o médico aspira o sangue da medula”, a doutora fala.

Cuidados após mielograma

De acordo com a médica, o pós-exame é “absolutamente normal”.  Porém, é recomendado não realizar exercício físico por 24h e manter o curativo seco pelo mesmo período. 

Homem descansando no sofá após mielograma

“Em geral, colocamos um adesivo ou pequeno curativo (igual ao de quando colhemos exame de sangue) somente para não haver sangramento no local onde a agulha foi inserida. Mas, não há necessidade de repouso ou cuidados especiais”, ela pontua.

Leia também:

Diferença entre mielograma e biópsia de medula óssea

“A diferença é que no mielograma é colhido apenas o sangue de dentro da medula e, na biópsia de medula óssea, é retirado um pequeníssimo fragmento de osso (para avaliar a arquitetura da medula óssea)”, a Drª. Mariana Oliveira afirma.

É importante saber que, em certas situações, faz-se ambos os exames, pois os resultados se complementam e permitem uma análise mais completa do quadro do paciente.

Deixe sua opinião ou dúvida sobre esta matéria abaixo! ?


Compartilhe
Receba um aviso sobre comentários nessa notícia
Me avise quando
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Back To Top