Skip to content

Câncer inguinal: o que é, sintomas e tratamentos

Homem com caroço na virilha e câncer inguinal
Compartilhe

Última atualização em 8 de maio de 2024

O tratamento varia de acordo com o tipo de câncer que atinge a região, podendo incluir quimioterapia, radioterapia ou cirurgia oncológica

No dia 26 de abril, a notícia da morte do vocalista do Grupo Molejo, Anderson Leonardo, surpreendeu a todos. Em 2022, o músico revelou que havia sido diagnosticado com um câncer inguinal e, desde então, diversas dúvidas surgiram sobre a doença, como ela se desenvolve, tratamento e afins. Mas, na verdade, o termo “câncer inguinal” está relacionado ao local onde o tumor aparece, que é na virilha, e não diz respeito a um tipo específico de neoplasia maligna.

O que é o câncer inguinal?

O termo “inguinal” se refere à região popularmente conhecida como “virilha”, ou seja, é uma definição anatômica. Dessa forma, um câncer inguinal é todo câncer que se desenvolve nesta região do corpo. É importante saber que o tumor pode se originar nesse local ou ainda pode tratar-se de uma metástase de um tumor que começou em outra parte do organismo.

Sintomas de câncer inguinal

“Não existe uma entidade chamada ‘câncer inguinal’. Na verdade, a região inguinal é uma definição anatômica, ela ocupa ali a parte popularmente conhecida como ‘virilha’, que contém algumas estruturas importantes, principalmente festes fibróticos, pele, tendões e linfonodos. Sendo que os linfonodos são as estruturas mais frequentemente acometidas pelos tumores nesta região”, o Dr. Denis Jardim, oncologista clínico e membro do Comitê de Tumores Geniturinários da SBOC (Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica), explica.

Quando o câncer na região inguinal diz respeito a metástase de outros tumores, há algumas neoplasias que têm maior tendência a se espalhar para essa área. Dentre elas estão o câncer pélvico, câncer de bexiga, tumores da região genital (tanto masculina, como o câncer de pênis, quanto feminina, como o câncer de colo de útero) e cânceres da região baixa do aparelho digestivo (como cólon, reto ou do canal anal).

Já quando a doença se desenvolve na própria região da virilha, o mais comum é que seja um linfoma. Porém, também pode se tratar de um carcinoma basocelular, um melanoma ou, mais raramente, sarcomas que acometem o tecido conjuntivo, fibras musculares ou nervos.

Leia também:
Leia também:

Sintomas do câncer inguinal

A principal manifestação que as pessoas percebem é o aparecimento de uma “íngua” ou caroço na virilha, que se desenvolvem, na verdade, por conta dos linfonodos estarem aumentados ou devido a nódulos na região.

Caroço na virilha

O Dr. Denis ainda comenta que, para algumas pessoas, esses nódulos podem ser doloridos, gerando dor na virilha. Além disso, ele também diz que “em alguns casos, esse nódulo pode erodir para a pele e gerar sangramentos e infecções secundárias.”

Vale saber que, no caso de ser um linfoma, outros sintomas que podem aparecer são:

  • Suor noturno
  • Febre
  • Os linfonodos aumentados também podem manifestar-se em outros locais, por exemplo como caroços no pescoço ou axilas
  • Coceira
  • Perda de peso sem motivo aparente e
  • Aumento do baço

Diagnóstico

É indispensável que seja feita uma biópsia do nódulo, para que um patologista possa avaliar as características das células presentes e identificar se elas pertencem a algum tipo de câncer e qual seria. 

Biópsia de íngua na virilha

“Como é uma região de relativo fácil acesso por estar próximo da pele, na região da virilha, normalmente, o que se faz é a extração de um pedaço da lesão ou, dependendo da lesão, da lesão completa”, o especialista descreve. 

Leia também:
Leia também:

Tratamento para câncer inguinal

A terapia indicada depende do tipo de câncer que está afetando a região da virilha. Mas, pode incluir quimioterapia, radioterapia ou cirurgia oncológica e esses tratamentos podem ser realizados em conjunto ou de forma isolada.

Tratamento para câncer na virilha

O Dr. Denis exemplifica que no caso do tratamento para linfoma, costuma-se utilizar a quimioterapia. Já no caso de cânceres metastáticos, a cirurgia pode ser um pilar principal para o tratamento, mas ela, provavelmente, será realizada em conjunto com uma outra terapia. 

Leia também:

Estado de saúde do Anderson Leonardo

O vocalista da banda Molejo recebeu o diagnóstico de câncer em 2022 e relatou que se tratava de um câncer inguinal. Porém, ainda não se sabe ao certo qual é o tipo de câncer que ele tem na região da virilha – e se a neoplasia se originou nesta localização. 

Vocalista do grupo molejo internado para tratar câncer

Em janeiro de 2023, ele compartilhou que a doença havia entrado em remissão, porém em maio do mesmo ano, ela retornou e Anderson precisou retomar o tratamento. Já em março de 2024, o vocalista foi internado devido ao tratamento do seu câncer e, segundo o boletim médico, ele foi transferido para a unidade de terapia intensiva em decorrência de quadro de insuficiência renal.

Na manhã do dia 26 de abril, a equipe do Grupo Molejo confirmou a notícia que Anderson havia falecido. A Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia manda suas condolências aos amigos, familiares e fãs do cantor.

Deixe sua opinião ou dúvida sobre esta matéria abaixo!

Deixe sua opinião ou dúvida sobre esta matéria abaixo!


Compartilhe
Receba um aviso sobre comentários nessa notícia
Me avise quando
4 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments

Tive linfoma não hodkgin na bacia no lado direito. Fiz 6 sessões de quimioterapia e a médica mandou parar. Agora tenho uma dor na virilha. Vou fazer o Pet Ct de rotina mas achando que poderia ter sido cedo para parar a quimioterapia.

Sinto dores na virilha do lado esquerdo, tipo uma queimação, não é dia todo, mas todos os dias incomoda muito. Fui diagnosticada com linfoma nao Hodgkin em 2021, estava por toda região abdominal e virilha, estou prestes a terminar as sessões de imunoterapia mês 06 deste ano Fico pensando será que voltou? Irei fazer em pet assim que terminar. Tenho receio se o câncer voltou.

Conheço sim o trabalho de vocês, e aprecio muito. Obrigada.
Estarei relatando para o meu médico essa situação.
Obrigada mesmo.

Back To Top