skip to Main Content
Conteúdo gratuito para pacientes de câncer e doenças do sangue, e seus familiares!

PCR: como uma lupa nas células

PCR: Como Uma Lupa Nas Células

Técnica permite ver DNA amplificado e é fundamental para ajudar no diagnóstico e monitoramento das leucemias

Por Tatiane Mota

Reação em Cadeia da Polimerase, a PCR, é uma técnica bastante utilizada no processo de tratamento do câncer. Por meio dela é possível obter a confirmação do diagnóstico e também encontrar células doentes remanescentes, naqueles pacientes que entraram em remissão.

Funciona assim: por meio de uma reação química, a PCR amplifica um segmento de DNA e esse movimento permite análises que levam às mais variadas descobertas.

O Dr. Paulo Campregher, especialista em genômica do câncer da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica, explica melhor. “É importante entender que a PCR não é um exame e sim uma técnica que irá auxiliar nos exames. Para ficar mais fácil, vou usar uma metáfora: imagine a microscopia. O que é analisado nos auxilia na descoberta de doenças. Com a PCR é a mesma coisa. Para que seja identificado qual o tipo específico do vírus da gripe, por exemplo, vou ter que usar uma reação em cadeia da polimerase para amplificar o ácido nucleico do vírus da gripe”.

Exame para leucemia

No caso das leucemias, a PCR não é usada para fazer o diagnóstico, mas para ajudar a complementar os resultados. “Podemos usar tanto o sangue periférico, quanto o sangue da medula óssea. O segredo para encontrarmos as respostas que desejamos, é sempre usar uma amostra que tenha as células leucêmicas”, diz o especialista.

Enfim, dá para perceber de que se trata de uma técnica bastante vasta, certo? Além dos diversos tipos de aplicações, há também dois tipos de resultados: PCR quantitativo (em tempo real) e PCR qualitativo (tradicional).

O primeiro mostra, por exemplo, a quantidade de células cancerígenas presentes no corpo. Ele é bastante usado no monitoramento de pacientes com LMC e LLA Ph+, por causa do gene BCR ABL. Também pode ser aplicado no caso das leucemias agudas, para encontrar possível doença residual mínima, mesmo após remissão completa.

Já a PCR qualitativa busca amplificar uma sequência de DNA específica, como o BCR ABL, por exemplo. Esse exame vai apontar positivo ou negativo para a anomalia buscada. “Para os casos de pesquisa sobre doença residual mínima, é importante tentar identificar um marcador molecular. Cada tipo de leucemia tem um marcador específico e, por meio da PCR quantitativa, vou amplificar esse marcador, para então identificar se há molécula e qual a quantidade dela no organismo. A leucemia mieloide aguda, por exemplo, tem dentre seus diversos marcadores o FLT3 e é ele que será buscado. O primeiro passo é entender qual marcador genético será analisado”, diz o especialista.

PCR disponível no SUS

Em todos os casos, a boa notícia é que, agora, a PCR está no SUS, disponível para os pacientes com leucemia mieloide crônica e leucemia linfoide aguda Ph+, que realizam o tratamento no sistema público de saúde.

De acordo com o art. 25 do Decreto 7.646/2011, amba as técnicas devem ser incorporadas no SUS em 180 dias após a data de publicação da Portaria nº 57, até o dia 16 de maio de 2020.

Essa foi uma importante conquista da ABRALE em nome dos milhares de pacientes de todo o Brasil. Entretanto, sabemos que a luta ainda não terminou. Se você tiver qualquer problema na realização do exame, entre em contato conosco: [email protected] ou (11) 3149-5190.

PCR em tempo real

pcr, exame pcr, pcr exame, exame de pcr, exame de sangue pcr, pcr o que é, o que é pcr, pcr exame de sangue, exame pcr para que serve, o que e pcr, pcr quantitativo, exames pcr, pcr alterado, hemograma pcr, o que é pcr?, exame pcr o que é, exame sangue pcr, pcr exames, o que é exame pcr, pcr alto, exame pcr o que significa, o que é pcr exame, pcr significado, exame pcr alto, o que é exame de pcr, para que serve o exame pcr, pcr - proteína c reativa, o que é pcr no exame de sangue, exames para detectar virus, pcr alto cancer, teste de pcr, pcr alto sintomas, pcr alto o que significa, o que o exame de sangue detecta, pcr ultrassensível alto, pcr passo a passo, tipos de pcr, tecnica do pcr, proteina c reativa quantitativa, pcr tecnica, pcr leucemia, pcr leucemia mieloide cronica, exame pcr leucemia, monitoramento de doença residual mínima em leucemia mielóide crônica por pcr em tempo real, leucemia linfoide cronica, leucemia cronica, cromossomo filadelfia, cromossomo philadelphia, leucemia mieloide crônica, leucemia mielóide crônica, leucemia mielóide, exame de leucemia, bcr-abl, exame para leucemia, lmc tratamento, como identificar leucemia, proteina indetectavelMais avançada, ela é ainda mais rápida e sensível.

Além do processo referente à PCR tradicional, há também a PCR em tempo real, que é ainda mais sensível e rápida, já que é possível acompanhar no ato a reação que vai acontecendo na amostra de sangue, após a aplicação de um corante fluorescente, que se ligará ao produto genético amplificado.

A PCR digital é mais um modelo da técnica. Ela também usa a fluorescência e é importante opção para a detecção de eventos mais raros.

A reação química amplifica um segmento de DNA. Isso permite análises que levam à descobertas.

Como é feita a PCR?

  1. Chega uma amostra do sangue da medula óssea de um paciente com suspeita de leucemia. Como primeiro passo, o especialista faz a extração de DNA (ou RNA). Para isso, é preciso colocar esse sangue em um recipiente próprio para análise, o tubo de ensaio.
  2. Feito isso, diversas substâncias químicas são aplicadas nesse sangue e centrifugadas em uma máquina específica. Ao final sai um líquido transparente, o DNA.
  3. Esse DNA é colocado em um outro tubo de ensaio e novos reagentes químicos são misturados a ele.
  4. O tubo de ensaio é colocado em uma máquina, que tem mais ou menos o tamanho de um micro-ondas, chamada de termocirculador. Esse aparelho oscila diferentes temperaturas e a reação da PCR é feita justamente após o aparelho esquentar e esfriar diversas vezes. São cerca de 40 ciclos de oscilação de temperatura, feitas em três etapas, com três temperaturas diferentes: 50°C, 72°C e 95°C.
  5. No final, dentro do tubo de ensaio, há um pedaço de DNA amplificado, o que facilita os achados específicos, tanto no diagnóstico, quanto no monitoramento do paciente.

 

Se proteja do coronavírus e dos boatos sobre ele

É hora de descontinuar o tratamento da LMC?

0 0 vote
Avalie esse artigo
Receba um aviso sobre comentários nessa notícia
Me avise quando
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Clotildes de Oliveira Braga Gomes
5 meses atrás

Graças à D EUS…DEUS SEJA LOUVADO

Back To Top
1
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x