skip to Main Content

Como diagnosticar e tratar o linfoma ósseo

Médico Homem Olhando Para Um Raio-x
Compartilhe

Última atualização em 30 de novembro de 2021

Os sintomas desse câncer costumam ser diferentes dos sinais de outros tipos de linfoma, mas a maneira de descobri-lo e as terapias utilizadas são semelhantes

Escrito por:

Natália Mancini

O linfoma ósseo primário é um subtipo de linfoma não-Hodgkin extranodal, ou seja, que acontece fora dos gânglios linfáticos, acometendo os ossos. Os fatores de risco para essa neoplasia maligna ainda são desconhecidos, mas, sabe-se que atinge mais pessoas entre 50 e 70 anos e se desenvolve, predominantemente, em homens. 

O linfoma é um câncer que envolve o sistema linfático, por isso, o mais comum é que ele se desenvolva nos gânglios linfáticos, também chamados de linfonodos. Entretanto, a Drª. Yana Novis, coordenadora da Onco-Hematologia do centro de Oncologia do Hospital Sírio-Libanês, explica que, em determinadas situações, a doença pode se desenvolver em outros locais. O motivo para isso acontecer é que todos os órgãos e tecidos, incluindo os ossos, são permeados pelo sistema linfático.

Dessa forma, o linfoma ósseo pode se desenvolver, mas isso não acontece com frequência. Por isso, esse câncer é considerado raro, representando menos de 1% de todos os casos de linfoma não-Hodgkin, e é responsável por cerca de 3 a 7% de todos os tumores ósseos primários e, aproximadamente, 5% dos linfomas extranodais.

A Drª. Yana detalha que ele pode acometer, especialmente, o esqueleto axial, por exemplo, os ossos que compõem a caixa torácica e a coluna vertebral. Mas, é possível que a doença ocorra em qualquer osso do corpo. Estudos mostram que o fêmur, a tíbia e o úmero também costumam ser atingidos. 

É importante saber que esse tipo de neoplasia é diferente de um linfoma que se desenvolve em outro local e se infiltra nos ossos.

“Em alguns casos, aparece acometimento ósseo junto com o envolvimento de linfonodos. Isso acontece porque a célula doente do linfoma circula por todo o organismo e pode alojar-se em qualquer parte do corpo”, conta a médica.

Quando isso ocorre, significa que o câncer está em um estadiamento mais avançado, já se espalhando pelo organismo. A ideia é semelhante à metástase nos tumores sólidos, mas, no caso do linfoma se chama infiltração e ela pode acontecer, principalmente, nos ossos ou no sistema nervoso central.

Sintomas do linfoma ósseo

De acordo com a Drª. Yana, o paciente pode permanecer sem sintomas por um tempo. Mas, quando eles estão presentes, geralmente, são: dor óssea localizada e aparecimento de fraturas sem motivo aparente (fraturas patológicas). 

Certas pessoas ainda podem manifestar os chamados sintomas B, que incluem: febre, perda de peso e sudorese noturna.

Mulher Com A Perna Engessada Por Conta De Uma Fratura Ossea
Leia também:

Diagnóstico

A suspeita se dá por meio de algum exame de imagem. Inicialmente, uma radiografia simples pode ser solicitada para avaliar as queixas iniciais do paciente. Caso alguma alteração seja identificada, o médico pode pedir mais um exame de imagem, como tomografia computadorizada ou ressonância magnética. Se o resultado confirmar a presença de alguma lesão, é feita uma biópsia do local. 

Pessoa Fazendo Exames De Imagem Para Diagnosticar Tumor Osseo

“A confirmação é feita com a biópsia com anatomopatológico e imunohistoquímico da lesão suspeita”, a especialista diz.

Tratamento para linfoma ósseo

O método utilizado é similar ao administrado para o tratamento de linfoma não-Hodgkin no geral. 

“É feito com imunoterapia combinado com quimioterapia. O imunoterápico mais comumente usado é o Rituximab, um anticorpo contra o CD20 presente nos linfócitos do linfoma”, a Drª. Yana informa.

Paciente Fazendo Quimioterapia Como Tratamento Para Tumor Osseo

O protocolo de quimioterapia realizado é o R-CHOP, que contém as drogas Ciclofosfamida, Doxorrubicina, Vincristina e Prednisona.

A médica complementa falando que, em casos selecionados, a radioterapia tem papel fundamental no tratamento desse tumor ósseo.

Justamente devido ao local que esse câncer acontece, há a possibilidade do paciente ter algumas complicações. Por exemplo, fraturas ou dor de difícil manejo. O esperado é que a terapia minimize esses riscos, mas é preciso ter alguns cuidados especiais. 

A especialista orienta que “o maior cuidado a ser realizado, seguindo recomendações do médico que acompanha o caso, é o fortalecimento muscular e realização de atividade física supervisionada por um profissional treinado. ”

Leia também:

Linfoma ósseo primário x  sarcoma de Ewing

O sarcoma de Ewing também é um câncer que se desenvolve nos ossos, mas também pode ocorrer em partes moles em volta dos ossos. Entretanto, diferentemente do linfoma ósseo, ele atinge, principalmente, crianças, adolescentes e adultos jovens (menos de 30 anos). Mas, por ambos acometerem locais semelhantes, no momento do exame de imagem, as duas doenças podem ser confundidas. 

A Drª. Yana Novis pontua que a diferenciação somente é possível por meio da biópsia da lesão. 

Raio-x Indicando A Presença De Linfoma Osseo

No caso do sarcoma de Ewing, o tratamento também é feito com poliquimioterapia, mas contendo outras drogas. Além disso, pode ser feita a retirada do tumor por cirurgia associada, ou não, à radioterapia.


Compartilhe
Receba um aviso sobre comentários nessa notícia
Me avise quando
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments

Boa noite. No meu diagnóstico falava em lesão óssea no ilíaco. Depois já falava em LNH de grandes celulas B.
Fiz 6 ciclos de quimioterapia e vou fazer o Pet, pois a médica acha que não há necessidade de mais sessões de quimioterapia.
Também não recomendou radioterapia. Ainda tenho dificuldade de mobilidade na perna esquerda , apesar da fisioterapia. Será que é aconselhável procurar segunda opinião?

Escrito por:

Natália Mancini

Back To Top