skip to Main Content

Hidroxiureia: como funciona e quando usar

Hidroxiureia
Compartilhe

Além de ser utilizada para tratar diversos tipos de câncer, também pode ser indicada para controlar doenças hematológicas não consideradas neoplasias malignas

Escrito por:

Natália Mancini

A hidroxiureia é um medicamento  utilizado para o tratamento de algumas doenças hematológicas. A principal é a anemia falciforme, mas também pode ser administrado contra a leucemia mieloide crônica (LMC), policitemia vera (PV) e trombocitemia essencial (TE). Em geral, não há contraindicações específicas sobre quem não deve tomá-la, mas é interessante que o(a) médico(a) esteja atento a algumas questões antes de prescrever o remédio.

O Dr. Fábio Pires, médico hematologista e especialista em leucemias, mieloproliferações e síndromes mielodisplásicas,  conta que “a hidroxiureia é uma substância química bem antiga. Ela foi desenvolvida/descoberta no Séc XIX, mas só começou a ser utilizada como agente quimioterápico oral na década de  50/60.”

Para que serve a hidroxiureia

Esse medicamento pode ser indicado para tratar diversos tipos de câncer, como melanoma maligno da pele, e doenças não malignas. Entretanto, neste texto, trataremos apenas do uso da droga para o tratamento da LMC, da PV e da TE. 

O hematologista explica que o mecanismo de ação da hidroxiureia para essas três doenças é a inibição da proliferação de células do sangue. Ou seja, ela faz com que haja uma diminuição da produção dos três tipos de células sanguíneas (as plaquetas e os glóbulos vermelhos e brancos).

Dois Quadros Com Células Do Sangue, Um De Quando A Pessoa Tem Policitemia Vera E Outro Quando é Saudável

O Dr. Pires diz que há muitos anos a hidroxiureia era uma terapia bastante importante para o tratamento da LMC. Entretanto, com o desenvolvimento dos inibidores de tirosina-quinase, especialmente o imatinibe, ela passou a ser pouco usada.

“Às vezes, a gente pode utilizar a hidroxiureia no começo [da terapia], se os leucócitos estiverem muito altos, até ter uma aprovação do imatinibe. Mas, uma vez tendo a aprovação, o paciente não toma mais. Ela era usada no passado, quando não tinha o imatinibe como opção, mas isso há muitos anos.” 

Já para o tratamento da trombocitemia essencial e da policitemia vera o medicamento é indicado para casos considerados de alto risco. Isto é, se a pessoa apresentar “uma história prévia de trombose, ou uma idade que põe o paciente com risco maior de ter episódios de trombose cardíovascular ou neurovascular. Por exemplo, acima dos 60 anos”, o médico detalha.

O paciente atendendo essas condições, a hidroxiureia pode ser indicada. Mas é sempre importante lembrar que cada caso é um caso e somente o(a) médico(a) responsável por acompanhar o tratamento pode dizer qual a melhor estratégia.

Quando o remédio não é indicado

De acordo com o Dr. Pires, não há contraindicações específicas, mas ele afirma que é ideal estar mais atento ao uso do medicamento em duas situações. A primeira, é caso o paciente, no momento do diagnóstico, já apresente citopenia, que é redução de plaquetas, leucócitos e/ou glóbulos vermelhos.

“Não que você não possa usar, mas tem que ir com cuidado na dose”, ele orienta.

Médica Indicando Atenção

A segunda situação é se a pessoa tiver alguma doença de pele séria ou histórico de câncer de pele. Isso acontece porque, quando a hidroxiureia é administrada sem interrupção, pode levar a efeitos colaterais na pele.

Veja também: dicas e orientações do Dr. Gerson Geraldo de Paula sobre a hidroxiureia

Como tomar hidroxiureia?

O mais comum é que essa droga seja usada como monoterapia. Isto é, sem estar acompanhada de outros medicamentos. Além disso, ela deve ser tomada diariamente de forma contínua e a dose ideal varia de acordo com alguns fatores. Por exemplo, toxicidade e resposta do paciente.

Por ser um medicamento oral em comprimido, o próprio paciente faz a administração em casa. Ele “precisa começar a tomar uma determinada dose prescrita pelo médico. Essa dose, em geral, varia de um a dois comprimidos por dia, tem que tomar todos os dias – não é uma coisa que se toma e para, é um uso contínuo – e você tem que ajustando a dose conforme a resposta”, o especialista descreve.

Pessoa Tomando Hidroxiureia

Se a dosagem proposta inicialmente não estiver gerando a resposta e a melhora esperada, ela pode ser aumentada. Mas, caso houver uma melhora, é possível que o(a) médico(a) avalie se é seguro reduzi-la. Também pode acontecer de “diminuir a dose, conforme a tolerância que o paciente apresenta”, o Dr. Pires acrescenta.  

Efeitos colaterais da hidroxiureia 

Justamente pelo medicamento ter como objetivo a redução das células sanguíneas, a Drª. Sandra Loggetto, hematologista coordenadora do Comitê de Hematologia Pediátrica da ABHH, diz que um primeiro efeito colateral que pode acontecer é a mielotoxicidade. Isto é, uma diminuição muito drástica e perigosa dessas células do sangue. Por isso, é preciso fazer um acompanhamento frequente das taxas do hemograma.

Homem Com Dor De Cabeça Como Efeito Colateral Da Hidroxiureia

“Um outro evento, principalmente em adolescentes e adultos, é a cefaleia (dor de cabeça). A gente não sabe o porquê, mas, às vezes, quando o paciente inicia o tratamento, ele se queixa dessa dor, não sabe o motivo e depois de duas semanas essa dor vai embora. Então, é um evento adverso que é importante de ser falado para que a pessoa não desista de tomar a medicação. Se ela tem essa dor de cabeça, vai medicar para controlar, mas ela tem que insistir no tratamento, porque isso é passageiro”, a médica orienta.

Outros possíveis efeitos colaterais incluem: aftas na boca, náusea e/ou vômito, diarréia e, como mencionado anteriormente, reações na pele. Também é preciso fazer um controle do funcionamento dos rins e do fígado para prevenção.

Além disso, “nos homens, pode diminuir muito a produção dos espermatozóides, e, na mulher grávida, pode trazer efeitos no feto”, a Drª. Sandra alerta.

Leia também:

Qual medicamento substitui Hydrea?

Hydrea é um dos nomes comerciais da hidroxiureia, inclusive um dos mais conhecidos no Brasil. Isto é, esse nome é apenas uma marca, não é o medicamento em si.

Em setembro de 2020, o laboratório farmacêutico responsável pela fabricação dessa marca descontinuou a produção do remédio. Dessa forma, desde então, o Hydrea não pôde mais ser encontrado para compra e nem para o uso em hospitais.

Hydrea é O Nome Comercial Da Hidroxiureia Que Foi Substituido Pelo TEPEV

Mas, isso não quer dizer que não tem mais hidroxiureia disponível. Há um outro laboratório que produz a droga e distribui no país por meio do nome TEPEV. Então, o Hydrea foi substituído pelo TEPEV.

O Dr. Fábio Pires confirma que a indicação do uso do medicamento permanece a mesma, bem como a maneira que deve ser tomado. Ele ainda pontua que não se preocupa com a substituição que foi feita.

“A hidroxiureia é basicamente uma droga muito antiga que já está no mercado há muitos anos e ela funciona como um basicão que o hematologista tem no seu arsenal de ferramentas para diminuir a quantidade de células que o paciente está produzindo. Ambos os medicamentos vão cumprir a mesma função e vão ter os mesmos resultados”, ele conclui.


Compartilhe
Receba um aviso sobre comentários nessa notícia
Me avise quando
18 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments

Muito obrigada, o trabalho da Abrale é fundamental neste momento tão difícil…esclarece dúvidas que muitas vezes não sabemos nem como perguntar ao médico.

Boa noite,
Gostaria se saber qual melhor horário para tomar Tepev, e se precisa estar de estômago cheio ou pode ser em jejum.

Tomo desde 2019, Substituí o hydrea pelo tepev, e foi ajustada a dose hoje estou ótima.

Desculpe Isabel você tbm é drepanocitica?

Muito boa matéria
Sempre tem alguém querendo aprender sobre o assunto

Boa tarde estou tomando o hidroxiureia mais ou menos a um ano, só que deu problemas no fígado GGT 200 e a médica falou que é por causa do remédio, mais se eu parar de tomar as plaquetas sobem muito, se eu continuar tomando meu fígado sofre, queria saber como faço!! Obrigada pela atenção

Boa tarde .
As plaquetas da minha mãe estam em 840 e sua médica receitou tepev 500 um comprimido por dia,ela tem bronquiectasia no pulmão, e uma vez seu cardiologista receitou AS infantil para ela baixar as plaquetas, só que deu sangramento no pulmao levando ela a ficar cinco dias internada, e o médico que cuidou dela falou que ela não pode tomas AS devido o medicamento afinar o sangue e causar essa hemorragia nela,a dúvida é, essa hidroxiureia afina o sangue podendo levar ela a esse quadro de hemorragia ?

Boa tarde,obrigado pela atenção,ela acabou de realizar o exame de jack2 e ainda não pegou resultado e nao sabe se essa é a causa,só sabe que as plaquetas dela a uns 3 a 4 anos deram alta em 2 exames,e nesse deste mês deu esse valor, a doutora pediu o exame e já entrou com esse remédio um comprimido por dia..
Eu entrei em contato com a médica pneumologista dela,a mesma não viu problema dela tomar o remédio, ela começou ontem com a medicação,hoje tomou a segunda dose e não teve nenhum efeito adverso ate agora.

Last edited 3 meses atrás by Adriano A.T.

Olá, minha vó toma hidroxiuréia, dois comprimidos por dia, só que ela está a 1 mês sem tomar por não ter chegado no posto, quero saber quais são os ricos e quanto tempo ela ainda pode ficar sem tomar

Last edited 2 meses atrás by Hevelyn

Boa tarde! Tenho Trombocitemia Essencial e me trato com uma hematologista do INCA há mais de 10 anos. Fui a uma consulta com uma reumatologista devido a uma artrose e ela me passou o remédio Artrolive (sulfato de glicosamina, sulfato de condroitina). Fui ler a bula e soube q não poderia usar este remédio caso tomasse algum anticoagulante. Gostaria de saber se a hidroxiureia é um anticoagulante. Pode me esclarecer? A consulta com a hematologista é só em outubro e eu queria saber se posso tomar o Artrolive! Agradeço muito a atenção q puder me dar!

Escrito por:

Natália Mancini

Back To Top