skip to Main Content

Como falar sobre o câncer?

Como Falar Sobre O Câncer?
Compartilhe

É direito do paciente saber o seu prognóstico. Mas o médic o precisa ter responsabilidade ao dar a notícia
Por Tatiane Mota

“Você tem um câncer” pode ser uma das falas mais impactantes que uma pessoa pode receber. Isso porque ainda há muito estigma com relação à doença e, claro, também pela gravidade que alguns tipos podem representar. Mas agora vamos fazer um exercício contrário e nos colocar na posição do médico: é sempre necessário falar a verdade para o paciente? Ou nem tudo precisa ser dito, para privá-lo de sentimentos como medo e angústia?

De acordo com o Código de Ética da Medicina, é vedado ao médico “desrespeitar o direito do paciente ou de seu representante legal de decidir livremente sobre a execução de práticas diagnósticas ou terapêuticas, salvo em caso de iminente risco de morte”; “deixar de informar ao paciente o diagnóstico, o prognóstico, os riscos e os objetivos do tratamento, salvo quando a comunicação direta possa lhe provocar dano, devendo, nesse caso, fazer a comunicação a seu representante legal”; “exagerar a gravidade do diagnóstico ou do prognóstico, complicar a terapêutica ou exceder-se no número de visitas, consultas ou quaisquer outros procedimentos médicos”.

Sendo assim, é necessário que o médico, por mais difícil que a notícia seja, comunique o paciente sobre tudo o que envolve o prognóstico do câncer – seja ele grave ou não. Agora, isso não significa que esse momento precisa ser frio e sem cuidado algum.

“A comunicação deve sempre ser clara, objetiva e realizada dentro de um contexto de cumplicidade e acolhimento. As palavras devem ser concatenadas com tranquilidade e pausadamente, e sempre deve-se partir de que o paciente já sabe sobre sua situação atual. Todos os
envolvidos devem estar acomodados confortavelmente e deve haver tempo livre para que todos possam se expressar e esclarecer dúvidas. Dar o diagnóstico é, sem dúvida, um dos pontos mais difíceis da prática oncológica e implica em um exercício empático intenso”, explica o Dr. Felipe Moraes, oncologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo.

Contar ou não contar para a família?

cancer renal prognostico, cancer intestino prognostico, prognostico cancer de ovario, prognostico de cancer de pancreas, cancer de bexiga prognostico, cancer de boca prognostico, cancer de endometrio prognostico, cancer de estomago prognostico, prognostico cancer de esofago, como dar uma noticia ruim, mas noticia, notícia ruim, noticia ruim, cura cancer terminal, como dar noticia de morte, especialista em cancer, pessoa com câncer, pessoa com cancer, amigo com câncer, esconder diagnóstico, esconder diagnóstico do paciente, esconder diagnósticos dilema etico, como contar que está doente, como internar uma pessoa com câncer, câncer na família, câncer contar ou não, médico pode esconder diagnóstico, o que dizer para uma pessoa com cancer terminal, cancer terminal tempo de vida, cancer terminal tem cura, como fazer a pessoa falar a verdade, como saber se um medico é bom, como os médicos pensam, dificuldade na fala termo medico, fala medico, fale com o medico, como falar com um medico, o que dizer para uma pessoa com cancer, paciente com cancer, como conversar com alguém com depressão, mensagem para quem tem cancer, o que fazer quando o paciente não aceita o tratamento, código de ética médica, curso ética médica, como motivar uma pessoa com cancer, falar sobre o câncer, falando sobre o câncerQuando o paciente é menor de idade, a presença de um responsável legal é obrigatória no momento do diagnóstico e também nas decisões sobre o tratamento. Agora, quando trata-se de um paciente adulto, lúcido e com posse de suas faculdades mentais, contar para a família a respeito do câncer deve ser opcional.

“A decisão é do paciente e ele é quem decide se a família deve ou não ter acesso às informações de sua saúde. Mas, particularmente, sempre incentivo os meus pacientes a falarem abertamente com os seus familiares sobre o diagnóstico e sobre o tratamento do câncer. A família tem papel social, afetivo e até jurídico em várias etapas do processo terapêutico e deve sempre compor o conjunto de pessoas envolvidas nas estratégias de cuidado”, diz o Dr. Felipe.

Contar com o apoio da equipe de Psicologia também pode ajudar bastante no momento do diagnóstico e durante toda a terapêutica. Muitas vezes, falar a respeito da doença ajuda e muito a lidar com os sentimentos que podem surgir.

Doutor, quanto tempo de vida eu tenho?

cancer renal prognostico, cancer intestino prognostico, prognostico cancer de ovario, prognostico de cancer de pancreas, cancer de bexiga prognostico, cancer de boca prognostico, cancer de endometrio prognostico, cancer de estomago prognostico, prognostico cancer de esofago, como dar uma noticia ruim, mas noticia, notícia ruim, noticia ruim, cura cancer terminal, como dar noticia de morte, especialista em cancer, pessoa com câncer, pessoa com cancer, amigo com câncer, esconder diagnóstico, esconder diagnóstico do paciente, esconder diagnósticos dilema etico, como contar que está doente, como internar uma pessoa com câncer, câncer na família, câncer contar ou não, médico pode esconder diagnóstico, o que dizer para uma pessoa com cancer terminal, cancer terminal tempo de vida, cancer terminal tem cura, como fazer a pessoa falar a verdade, como saber se um medico é bom, como os médicos pensam, dificuldade na fala termo medico, fala medico, fale com o medico, como falar com um medico, o que dizer para uma pessoa com cancer, paciente com cancer, como conversar com alguém com depressão, mensagem para quem tem cancer, o que fazer quando o paciente não aceita o tratamento, código de ética médica, curso ética médica, como motivar uma pessoa com cancer, falar sobre o câncer, falando sobre o câncerEmbora a ciência tenha avançado muito nos últimos anos e venha trazendo opções de medicamentos bastante eficazes no combate ao câncer, com chances de remissão completa e até mesmo a cura, essa é uma pergunta ainda comum nos consultórios, quando uma doença grave é diagnosticada. E, mais uma vez, essa é uma informação que não deve ser escondida do paciente. Entretanto, detalhar o tempo estimado de vida (se dias, meses ou anos) também não é o caminho correto a ser seguido…

“O médico não pode dar essa informação, simplesmente porque ele não a detém. Não é correto prognosticar tempo de vida na particularidade de um indivíduo, pois o que temos de dados são sempre medianas estatísticas que se aplicam a populações e não a pessoas isoladas. Porém, existem circunstâncias nas quais previsões de tempo são requeridas pelo paciente para que possa planejar e organizar determinadas questões sociais, profissionais e afetivas. E aí sim, nessas situações, as estatísticas prognósticas podem ser usadas, mas nunca como sendo um dado definitivo”, fala o doutor.

Para além do câncer

cancer renal prognostico, cancer intestino prognostico, prognostico cancer de ovario, prognostico de cancer de pancreas, cancer de bexiga prognostico, cancer de boca prognostico, cancer de endometrio prognostico, cancer de estomago prognostico, prognostico cancer de esofago, como dar uma noticia ruim, mas noticia, notícia ruim, noticia ruim, cura cancer terminal, como dar noticia de morte, especialista em cancer, pessoa com câncer, pessoa com cancer, amigo com câncer, esconder diagnóstico, esconder diagnóstico do paciente, esconder diagnósticos dilema etico, como contar que está doente, como internar uma pessoa com câncer, câncer na família, câncer contar ou não, médico pode esconder diagnóstico, o que dizer para uma pessoa com cancer terminal, cancer terminal tempo de vida, cancer terminal tem cura, como fazer a pessoa falar a verdade, como saber se um medico é bom, como os médicos pensam, dificuldade na fala termo medico, fala medico, fale com o medico, como falar com um medico, o que dizer para uma pessoa com cancer, paciente com cancer, como conversar com alguém com depressão, mensagem para quem tem cancer, o que fazer quando o paciente não aceita o tratamento, código de ética médica, curso ética médica, como motivar uma pessoa com cancer, falar sobre o câncer, falando sobre o câncerPor muito tempo usou-se o termo “desenganar” para aqueles pacientes em estadiamento avançado, sem mais opções terapêuticas para a sua condição. Mas, de acordo com o Dr. Felipe Moraes, essa palavra deve ser completamente abolida do vocabulário oncológico. Isso porque, hoje, o paciente precisa ser sempre visto de uma maneira integral, e não apenas pela doença que apresenta.

“O término das opções terapêuticas oncológicas não deve ser entendido como o término do processo de cuidado. Médicos e profissionais de saúde não assumem compromissos éticos de curar todas as pessoas, mas, sim, de cuidar delas, até o final, com todos os recursos disponíveis. Reconhecer a finitude e as limitações da medicina é um dos primeiros passos para o desenvolvimento de processos de cuidado cada vez mais completos e humanizados”, finaliza o médico.

 

Sentir medo de ter câncer é coisa do passado

A cura do câncer já existe?

0 0 votes
Avalie esse artigo

Compartilhe
Receba um aviso sobre comentários nessa notícia
Me avise quando
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Back To Top