skip to Main Content

Tudo sobre a leucemia linfocítica granular grande

Homem No Médico Sendo Diagnosticado Com Leucemia Linfocitica Granular Grande
Compartilhe

Última atualização em 6 de abril de 2023

Esse é um câncer com características muito particulares, tem baixa agressividade e não é curável, mas pode ser controlado

Escrito por:

Natália Mancini

A leucemia linfocítica granular grande (LGL) é um tipo raro de leucemia linfóide, que tem comportamento crônico e, geralmente, aparece em pessoas com mais de 60 anos. O principal desafio nesse câncer é diagnosticá-lo, já que, muitas vezes, ele não causa sintomas. O tratamento não costuma envolver quimioterapia, nem outros medicamentos antineoplásicos tradicionais, e permite alcançar remissão prolongada. 

O Dr. Sérgio Fortier, hematologista da Rede de Hospitais São Camilo, conta que esse tipo de leucemia foi identificado pela primeira vez em 1985 e é dividido em dois subtipos. Sendo que a classificação acontece de acordo com a origem da leucemia LGL, isto é, se seu desenvolvimento ocorre a partir de um linfócito T ou de um linfócito NK (natural killer).

O especialista salienta ser importante saber que, apesar dessa separação, tanto os linfócitos T, quanto os linfócitos NK têm a função de proteger o organismo, destruindo as células doentes ou que foram infectadas por vírus.

O que é a leucemia linfocítica granular grande?

Esse é um tipo raro de leucemia, representa de 2 a 5% das doenças linfoproliferativas crônicas, que se desenvolve nos linfócitos (tipo de glóbulo branco) e aparece, na maioria das vezes, em pessoas com mais de 60 anos. O Dr. Fortier ressalta que a leucemia LGL tem um comportamento muito diferente dos outros tipos de câncer.

Médicos Analisando Um Exame Para Diagnosticar A Leucemia Linfocitica Granular Grande

“Diferente de outras leucemias, essa doença parece mais uma doença autoimune do que cancerígena”, ele diz. Isso acontece justamente por conta da função dos linfócitos de destruir as outras células. 

Outra característica desse câncer é que ele tem um comportamento indolente, ou seja, tem crescimento lento. Por isso, diagnosticá-lo pode ser desafiador.

Leia também:

Sintomas da leucemia LGL

Em alguns casos, os pacientes são assintomáticos, mas, quando há a presença de manifestações, elas costumam ser:

  • Anemia
  • Cansaço
  • Palidez
  • Palpitações e
  • Infecções recorrentes
Homem Com Palidez

O Dr. Fortier explica que os sintomas acontecem por conta da atuação autoimune dessa leucemia, ou seja, devido ao fato das células doentes destruírem as células sanguíneas ou seus precursores na medula óssea, causando uma baixa contagem desses elementos.

Diagnóstico

A suspeita de uma leucemia linfocítica granular grande é levantada por meio do hemograma completo. O médico conta que quando há a presença desse câncer, o resultado do exame costuma indicar anemia e neutropenia (baixa contagem de neutrófilos). Já para a confirmação do diagnóstico, ele diz que são necessários exames mais aprofundados e específicos.

Homem Fazendo Exame De Sangue Completo

“O diagnóstico geralmente é feito por meio da demonstração do aumento dos linfócitos grandes e granulares no sangue pelo exame de imunofenotipagem de sangue periférico. Algumas vezes, pode ser difícil para o hematologista confirmar que essas células são doentes, sendo necessário outros exames, como avaliação da medula óssea e estudos genéticos (para comprovar que a célula é cancerígena)”, descreve.

Leia também:

Tratamento da leucemia linfocítica granular grande

Para definir qual o tipo de terapia mais adequado, é preciso analisar se o paciente está, ou não, com sintomas. Para aqueles que apresentam manifestações significativas, indica-se realizar tratamento medicamentoso e, para quem não tem nenhum sinal ou os sinais estão com baixa intensidade, a orientação costuma ser apenas realizar acompanhamento médico, chamado de “watch and wait“.

Tratamento Da Leucemia Linfocítica Granular Grande

Se durante o watch and wait, o médico identificar que o paciente está com alterações significativas no hemograma, com sintomas ou risco de infecção grave, o tratamento medicamentoso pode ser iniciado.

“Nessa doença, utilizamos remédios para reduzir a imunidade (imunossupressores), semelhante ao que os reumatologistas usam para controlar doenças autoimunes, como a lúpus e a artrite reumatoide. Alguns exemplos das terapias utilizadas são: Ciclosporina, Ciclofosfamida, Metotrexato”, o Dr. Fortier descreve.

Ele ainda pontua que, na grande maioria das vezes, a terapia imunossupressora causa o efeito esperado e, em apenas situações raras, há necessidade de realizar quimioterapia.

Leia também:

A leucemia LGL tem cura?

Como esse câncer tem um crescimento bastante lento, o objetivo é controlá-lo e não, necessariamente, alcançar a cura tradicional. Então, o propósito é alcançar a remissão (quando não há mais sinais da doença) pelo maior tempo possível.

A Leucemia LGL Tem Cura

O único tratamento que pode ser curativo é o transplante de medula óssea alogênico. Porém, de acordo com o hematologista, esse procedimento é pouco realizado, por trazer mais riscos que a própria doença. 

Na verdade, a taxa de mortalidade relacionada à leucemia linfocítica granular grande é baixa, menor que 10%, e costuma ser por conta de infecções graves e não devido à evolução da doença em si.

“O diagnóstico da LGLG pode ser mais desafiador que o tratamento. São raros os pacientes que não respondem ao tratamento imunossupressor”, o Dr. Sérgio Fortier fala. 


Compartilhe
Receba um aviso sobre comentários nessa notícia
Me avise quando
4 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments

Parabéns , essa é a primeira vez que vocês falam algo sobre a minha doença e a primeira vez que me sinto acolhida aqui.

Sou Tanja Willerding, inscrita na abrale e gostaria de ter contato com.outros portadores de LGL-T.
Sofro de leucemia de grandes linfocitos granulares desde 2018 e gostaria de trocar ideias sobre sintomas e tratamentos com outros portadoras da mesma doença.
Meu telefone. 47 984501818.
Tenho whats app

Escrito por:

Natália Mancini

Back To Top