skip to Main Content

Quais são as fases da leucemia mieloide crônica?

Homem De Meia Idade No Médico
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

As fases indicam como a doença está progredindo e determinam qual é o objetivo do tratamento

Escrito por:

Natália Mancini

A leucemia mieloide crônica (LMC) pode se apresentar em três fases, de acordo com alguns critérios clínicos e laboratoriais. As fases da LMC são: crônica, acelerada e blástica. A maior parte dos pacientes (85-95%) com esse câncer são diagnosticados na primeira etapa e 50% são assintomáticos. O diagnóstico precoce e tratamento adequado são essenciais para evitar que a doença evolua e o indivíduo possa ter uma boa qualidade de vida.

A Drª. Jaqueline Sapelli, onco-hematologista do A.C.Camargo Cancer Center informa que, quando se trata da LMC, não é possível utilizar o termo “estadiamento”, como é feito para os tumores sólidos. Isso acontece porque como essa doença acontece no sangue, ela está no corpo inteiro. Ou seja, não tem como avaliar a progressão do câncer olhando a quantidade de locais acometidos. 

“Entretanto, de forma análoga, pode-se considerar as fases como um estadiamento, já que baseamos nossa decisão terapêutica de acordo com elas”, diz ela.

Para definir se a leucemia de um paciente é crônica, acelerada ou blástica são utilizados alguns critérios, como o número de células imaturas (blastos) e de basófilos (células brancas) presentes na medula óssea ou no sangue periférico. A Drª. Jaqueline complementa, explicando que algumas avaliações também levam em consideração a persistência e o aumento progressivo do baço.

Como são as fases da LMC?

A fase crônica da leucemia mieloide crônica é considerada a mais estável e se caracteriza pelo aumento do número de glóbulos brancos. Os sintomas podem ou não estar presentes, sendo que quando eles estão, geralmente são: perda de peso, cansaço, anemia, aumento do baço e perda de apetite.

Já na fase acelerada, há mais de 20% de basófilos e alta contagem de glóbulos brancos no sangue. “Ela pode se apresentar de forma insidiosa, com poucos sintomas, piora da anemia, aumento importante do baço e até de outros órgãos”, conta a onco-hematologista.

Lupa Mostrando As Células Sanguíneas Em Um Tubo De Exame De Sangue

Por último, na fase blástica há uma forte presença dos blastos no sangue, assim como piora dos sintomas gerais, manifestação de febre, sangramento e infecções. A médica considera que essa é a mais marcante, pois se apresenta como uma leucemia aguda.

Quando a LMC não é tratada adequadamente, os pacientes  em fase crônica tendem a evoluir para a acelerada em três a cinco anos. 

Leia também:

Tratamento da LMC de acordo com as fases

“Nas fases crônica e acelerada, o objetivo do tratamento, inicialmente, é o controle das alterações encontradas no exame de sangue, que chamamos de resposta hematológica. Na sequência, avalia-se a melhora das alterações genéticas (resposta citogenética) e moleculares (resposta molecular), por meio de exames específicos. Já na fase blástica, o objetivo é eliminar as células imaturas e trazer o paciente de volta à fase crônica”, diz a Drª. Jaqueline.

O Tratamento Varia De Acordo Com A Fase Da Lmc

Desde o ano 2000, devido à incorporação dos inibidores de tirosina quinase (ITK), houve um grande avanço no tratamento dessa leucemia. Conforme conta a especialista, essas drogas atuam inibindo os sinais que fazem com que as células doentes se multipliquem. Dessa forma, possibilitam o controle da LMC e, consequentemente, tornam possível oferecer uma perspectiva de vida para os pacientes, semelhante à da população geral.

Nas fases crônica e acelerada, os ITK, Imatinibe, Dasatinibe e Nilotinibe, são o pilar do tratamento. Eles também são administrados na fase blástica, mas, geralmente, são associados à quimioterapia de alta ou baixa intensidade, seguido de transplante alogênico de medula óssea para os pacientes que são aptos.

Assim como a LMC pode evoluir para outras fases, ela também pode “diminuir” e retornar para uma doença mais controlada. 

“Os pacientes diagnosticados em fase acelerada ou blástica, apesar de apresentarem maiores chances de falha à terapia, quando respondem ao tratamento, tendem a evoluir de forma favorável, podendo “diminuir” para fase crônica”, esclarece a onco-hematologista.

Por outro lado, quando o paciente é diagnosticado na primeira fase, o tratamento não gera a resposta esperada e ele evolui para a segunda ou terceira, há menor probabilidade de retornar à fase anterior.

Leia também:

Tempo de tratamento da LMC

O tratamento para os pacientes em fase blástica varia de acordo com a terapia empregada e com a resposta obtida, sendo considerado mais imprevisível. 

Enquanto que, “de forma geral, os pacientes em fase acelerada, que respondem aos ITK, possuem um tempo de tratamento semelhante aos pacientes em fase crônica”, pontua a médica.

Pessoas Fazendo Anotações Em Um Calendário

Atualmente, a orientação é que os pacientes de LMC não interrompam o tratamento. Isso somente pode ser feito em uma situação extremamente controlada de pesquisa clínica. 

“O importante é que estes tratamentos sejam sempre orientados por um médico hematologista e que cada fase da doença seja monitorizada de forma adequada, visando a maior segurança”, a Drª. Jaqueline Sapelli.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Receba um aviso sobre comentários nessa notícia
Me avise quando
2 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments

Estou me sentindo sem coragem,as vezes sem paciência,comendo bastante e indo ao banheiro várias vezes.

Escrito por:

Natália Mancini

Back To Top