skip to Main Content

Novas medidas de prevenção da COVID-19 para imunossuprimidos

Pessoa Imunossuprimida Tomando Vacina Para Prevenção Da Covid-19
Compartilhe

Os casos da COVID-19 estão aumentando no país e proteger essa população é essencial

Escrito por:

Natália Mancini

As principais formas de prevenção da COVID-19 continuam sendo a utilização da máscara de proteção individual, imunização, higienização frequente das mãos e, se possível, evitar lugares fechados e aglomerados. Mas, no caso de pessoas imunossuprimidas, justamente por conta da imunidade estar enfraquecida, há a possibilidade de contar com uma proteção extra. Porém, é importante lembrar que todas essas medidas se complementam, então uma não substitui a outra.

Inicialmente, a indicação era que as pessoas tomassem duas doses da vacina contra a COVID-19. Entretanto, com o tempo, foi surgindo a necessidade de tomar mais doses para reforçar a proteção. Isso não aconteceu porque os imunizantes não funcionam, mas sim pois o coronavírus apresentou diversas mutações e a resposta imunológica das pessoas reduziu ao longo do tempo.

Ou seja, com as duas doses, o corpo consegue desenvolver anticorpos suficientes para combater a infecção. Mas, com o passar dos meses, a quantidade de anticorpos diminui, fazendo com que a proteção “perdesse força”. 

No caso de pacientes imunossuprimidos, como é o caso de quem faz alguns tipos de tratamento contra o câncer, essa resposta imunológica inicial pode ser menor e a velocidade na qual ela é perdida é maior. Por isso, as autoridades em Saúde têm indicado que esse público tome mais doses de reforço e com um intervalo menor. 

A Drª. Anna Claudia Turdo, infectologista especialista em Moléstias Infecciosas e Parasitárias do A.C.Camargo Cancer Center, diz que, por enquanto, a tendência é que a população precise continuar tomando a vacina da COVID-19 em um intervalo de três a cinco meses. 

“Temos várias pesquisas no campo de vacinação, porém, ainda sem promessa de uma vacina mais duradoura. O SARS-COV-2, causador da COVID-19, tem apresentado várias mutações e, com a queda da resposta imunológica, estamos indicando doses extras para melhor controle da doença na população”, esclarece.

A vacina da COVID-19 protege das novas variantes?

Por enquanto, as vacinas desenvolvidas e disponíveis para a população não foram fabricadas para todas as variantes do vírus. Mesmo assim, elas parecem proteger contra as variantes mais recentes, mas não podemos considerá-las como uma universal.

A Drª. Anna explica que, até agora, não há previsão de uma vacina contra todas as variantes. Isso acontece justamente por conta da quantidade de mutações que o vírus sofre. Ela faz uma comparação do sistema de replicação do vírus com o dos seres humanos. 

Vacina Da COVID-19 Para Novas Variantes

“Quando temos divisão do nosso material genético para formar uma nova célula, nosso organismo tem uma série de mecanismos de reparo para impedir mutações genéticas e a célula sair idêntica à original. O vírus não tem um sistema tão complexo assim, ele mantém a replicação viral ininterruptamente e os erros ocorrem e cada vez que isso acontece pode significar uma mutação importante que dê origem a uma nova variante. ”

Para uma vacina universal, a infectologista comenta que seria preciso achar uma estrutura “fixa”. Isto é, uma parte do vírus que esteja sempre presente, independentemente da variante, e que seja suficiente para criar uma resposta imunológica.

Entretanto, “é esperado que haja uma atualização das vacinas atuais, em relação às novas cepas mais prevalentes”, o Dr. Diego Feriani, infectologista do A.C.Camargo Cancer Center comenta. 

Ele também conta que há um estudo, chamado PROTECT-V, analisando diversas substâncias para prevenção. “Estamos aguardando seu resultado”, o médico diz.

Leia também:

Dúvidas frequentes sobre a prevenção da COVID-19

Pode tomar a vacina da COVID-19 gripado?

Caso a pessoa apresente qualquer sintoma respiratório ou de infecção, é preciso fazer o teste para descartar a possibilidade de ser COVID-19.

Se o teste der positivo, a pessoa deve aguardar, no mínimo, 14 dias após não ter mais nenhum sintoma e o teste negativar.

Vacina Da COVID-19

Qual a melhor vacina contra COVID-19?

Todos os imunizantes autorizados e disponíveis no Brasil são seguros e eficazes para a prevenção da COVID-19. Não há um que seja melhor, inclusive para pacientes oncológicos. Antes de se vacinar, é importante que a pessoa em tratamento contra o câncer converse com o seu oncologista. Mas, em geral, não há contraindicações ou uma vacina que seja mais indicada.

Leia também:

Remédio contra a COVI-19 para pacientes oncológicos

Neste ano, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária aprovou para uso emergencial um tratamento profilático para COVID-19 destinado à pessoas imunossuprimidas. Trata-se de um medicamento composto pelos anticorpos monoclonais cilgavimabe + tixagevimabe.

Ele é indicado para pessoas com mais de 12 anos, que não foram expostas recentemente ao coronavírus, isto é, que não estão com infecção, e que tenham comprometimento imunológico de moderado a grave e que possam não apresentar uma resposta imunológica adequada à vacinação contra a COVID-19.

Tratamento Profilático Para Covid-19

Sendo assim, essa prevenção da COVID-19 pode ser usada por pacientes:

  • Em tratamento ativo para tumores sólidos e malignidades hematológicas.
  • Em recebimento de transplante de órgão sólido e terapia imunossupressora.
  • Em recebimento de receptor de antígeno quimérico (CAR), as chamadas “células CAR-T”, ou transplante de células-tronco hematopoiéticas (dentro de dois anos após o transplante ou ao longo de terapia de imunossupressão).
  • Portadores de imunodeficiência primária moderada ou grave (por exemplo, síndrome de DiGeorge e síndrome de Wiskott-Aldrich).
  • Portadores de infecção por HIV avançada ou não tratada.
  • Em tratamento ativo com corticóides em altas doses, entre outros agentes alquilantes, antimetabólicos, medicamentos imunossupressores relacionados ao transplante ou agentes quimioterápicos do câncer classificados como gravemente imunossupressores, além de medicamentos anti-fator de necrose tumoral e outros agentes biológicos que são imunossupressores ou imunomoduladores.

“Com as vacinas ou a aquisição da doença o corpo humano produz anticorpos para se proteger. Já esse medicamento é composto de uma combinação de anticorpos de ação prolongada, ou seja, fornece os anticorpos já prontos”, a Drª. Anna explica. Entretanto, ela ressalta que ele não é um substituto da vacinação.

Outro ponto importante, é que apesar de alguns pacientes oncológicos não desenvolverem boa resposta imunológica, isso não acontece com todos. Então, é fundamental que cada pessoa converse com o seu médico para entender se entra em alguma das situações nas quais se recomenda o uso desse medicamento. 

“Esse anticorpo monoclonal é o único medicamento aprovado no Brasil com comprovação científica de profilaxia pré-exposição”, a Drª. Anna Claudia Turdo alerta.


Compartilhe
Receba um aviso sobre comentários nessa notícia
Me avise quando
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Escrito por:

Natália Mancini

Back To Top