skip to Main Content

“Luta contra o câncer”, para alguns, pode ser mais que uma simples expressão

Mulher Com Câncer Deitada Com Expressão Pensativa
Compartilhe

Não é nem certo nem errado falar dessa forma, mas é preciso estar atento como essa fala pode ser internalizada

Escrito por:

Natália Mancini

Alguns termos, como “luta contra o câncer”, “atacar as células”, “sobrevivente” e outros, estão presentes no dia-a-dia dos pacientes oncológicos – seja no consultório médico, durante uma explicação sobre a doença e seu tratamento, seja no meio social e até mesmo na mídia. É muito comum que, por exemplo, quando algum(a) famoso(a) morre devido a um tumor, as notícias digam que ela(a) “perdeu a batalha”. Por um lado, a utilização dessas expressões pode facilitar o entendimento. Mas, por outro, também pode desviar o foco principal, que é se cuidar, além de, possivelmente, trazer diversas questões psicológicas.

Acredita-se que o uso de metáforas de guerra para falar sobre neoplasias malignas teve início quando o ex-presidente dos Estados Unidos da América (EUA), Richard Nixon, declarou a “Guerra Contra o Câncer” em 1971. A ideia era impulsionar as pesquisas de novos tratamentos para acabar com essa doença, que, nas palavras do ex-presidente, era um “inimigo implacável”.

Fábio Gomes, psicólogo da Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia (Abrale), conta que vivencia há anos esse tipo de expressão tanto nos hospitais em que trabalhou, quanto nos atendimentos que faz na instituição. Ele considera que essas falas e questionamentos são estruturais e merecem reflexão.

“Infelizmente se trata de algo que, por um lado é positivo, mas por outro é negativo. Ninguém quer ‘perder’, é algo construído e solidificado socialmente. Com certeza, para compreensão do paciente este termo é bem claro, todavia gera um turbilhão de emoções e sentimentos negativos, sendo comum pensar ‘onde que eu errei?’, ‘não sou merecedor’ entre outras, podendo levar a sintomas depressivos e ansiógenos”, ele relata.

O que a “luta contra o câncer” pode significar para o paciente?

Um estudo, publicado em 2019, analisou como as pessoas em tratamento oncológico se sentiam diante das metáforas bélicas. Os resultados reforçam que, apesar do linguajar bélico ajudar a ilustrar melhor o que está acontecendo com o corpo e como a terapia irá agir, pode fazer com que o tratamento pareça mais difícil e deixar os indivíduos mais fatalistas. 

Mulher Com Câncer Deitada Na Cama Dando A Mão Para Uma Segunda Pessoa

Fábio pontua que tratar uma doença oncológica focando no perder ou ganhar uma batalha, coloca muita responsabilidade sobre o paciente, sendo que ele, geralmente, já está fisicamente e psicologicamente abalado. 

“Quem ‘perde’ fica com a sensação de que não fez o seu melhor e tem, muitas vezes, pensamentos repetitivos sobre seu ‘fracasso’, o que não é verdade”, diz.

Ele complementa explicando que as consequências psicológicas devido ao uso dessas expressões podem ser diversas. Entretanto, as mais comuns são: humor deprimido, podendo evoluir a uma depressão, ansiedade generalizada, síndrome do pensamento acelerado (voltado a pensamentos negativos), baixa auto-estima. Além disso, ao chegar no término do tratamento “ganhando”, alcançando a remissão, essas falas ainda podem gerar o questionamento  “será que venci a guerra ou apenas uma batalha?”.

“Isso causaria o medo da recidiva da doença. Este medo torna-se um fantasma a atormentar o paciente, que se não for tratado, pode prejudicar sua qualidade e retomada de vida”, alerta Fábio.

Leia também:

Sobre ser um guerreiro na “luta contra o câncer”

Dizer que o(a) paciente está lutando uma guerra e, por isso, é um(a) guerreiro(a) pode afetar como a pessoa lida com o medo durante o tratamento e fazer com que ela minimize suas dores.

O psicólogo esclarece que isso acontece porque “um(a) guerreiro(a) não pode fraquejar, não pode chorar, se lamentar, simplesmente tratar e acreditar na cura, segundo crenças sociais pré-estabelecidas. É como se se sentisse blindado(a) para a luta, logo acaba minimizando, guardando sofrimentos emocionais. ”

Dois Profissionais Da Saúde Analisando Exames Enquanto Uma Pessoa Faz Quimioterapia

Lilia Elizabeth Luzes Borges, paciente de linfoma não-hodgkin folicular, atualmente em watch and wait, membro do Comitê de Pacientes da Abrale e administradora do @girassoisfolicular, concorda que ninguém deve ser incentivado a lutar. 

“A vida se dá no intervalo entre o nascimento e a morte e este período nunca deve ser uma forma de guerra. Mas sim, uma forma saudável e equilibrada de encarar os problemas de saúde e outros inevitáveis que possam aparecer. O paciente com câncer não é um predestinado, ele vive como todos, ele está no intervalo entre o nascimento e morte e, agora, com câncer”, ela diz.

Para Lilia, as pessoas não devem ser incentivadas a lutar, guerrear ou entrar em batalha diante de um problema de saúde – nem em muitos outros. O importante, nessas situações, é o incentivo a se cuidar, se informar e, se possível, ter apoio. 

Mas isso não quer dizer que os pacientes que se enxergam como guerreiros e consideram que estão enfrentando uma batalha, estão errados e que essas expressões nunca devem ser usadas. Não há uma determinação sobre o que falar para alguém com câncer ou não. Fábio Gomes ressalta que o relevante é não tornar esse o único recurso emocional de enfrentamento, uma vez que se algo acontecer diferente do imaginado, pode gerar frustração, culpa e sentimento de fracasso. 

“Isso não é verdade, pois um tratamento pode ser efetivo para um, mas não para o outro. Somos sujeitos singulares, com características genéticas, fisiológicas e psicológicas únicas”, ele afirma.

Lila Borges conclui pontuando que o principal é não sair do foco da verdadeira atitude que deve ser tomada diante de um câncer, que é procurar conhecimento e cuidado. 


Compartilhe
Receba um aviso sobre comentários nessa notícia
Me avise quando
4 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments

Muito interessante, sempre nos ajuda muito cada palavra!! Obrigada

conteúdo interessante, esclarecedor, as pessoas estão sempre atrás de artigos, para minimizar o seu problema com doenças em geral, o cancer ainda é muito mais angustiante devido a nossa cultura, já que ouvimos desde de criança de que CA não tem cura, claro hoje tem muito mais informações com relação a essa doença, que ajuda as pessoas ver com outros olhos e podemos viver com expectativas boas para o futuro. obrigado

Olá Elisabel! Obrigada por carinho. Que bom que nosso conteúdo esclareceu suas dúvidas. Ficamos à disposição!

Escrito por:

Natália Mancini

Back To Top